29 abril 2008

Tenho a alma virada do avesso.



Continuamente, me pergunto porque não vi os indícios da doença do meu filho.
Como é possível que tenha morrido?
Algo me preocupava, naquele Março cinzento. Revejo essa preocupação, escrita, no diário da altura – Fevereiro/06
Falhei no meu papel de mãe; era suposto tê-lo protegido.
Nunca me convencerei de que era inevitável. A tristeza que levou para Barcelona, naquele Agosto sufocante, pode ter fragilizado o seu corpo cansado. Que sei eu?
À força de tanto cismar, perco-me, aprisionada, numa realidade que desconheço e me consome e desespera. Não tenho a chave da prisão.
Alguém ma tirou e deitou fora.
Ou tê-la-ei guardado e não sei onde está?
Vou-me habituando à penumbra da casa, de mim e a pequenos raios de sol ocasionais.
Não quero muito.
De que serve criar raízes?
Sou apenas hóspede da vida, da ternura que ainda me couber na roda da sorte, do azar, do destino, deste dia exacto, do antes que vivi e, talvez um pouco, do depois que me espera.
Sou hóspede do coração de quem me ame e deste mundo que habito, tenuamente.
Apenas, hóspede. Sem demasiadas exigências
Por isso, fechada no meu casulo, ouço e vejo, ao longe. São sons, em tudo semelhantes ao silêncio; desaprendi o significado das palavras.
E estranho-me; ando perdida em torrentes de palavras e na total ausência delas.
Tenho a alma virada do avesso.



A MÚSICA

Arrasta-me por vezes como um mar, a musica!
Rumo à minha estrela,

sob o éter mais vasto
ou um tecto de bruma,

eu levanto a vela;

Com o peito p’rà frente
e os pulmões inchados

como rija tela,


Escalo a crista das ondas l
logo amontoadas

Que a noite me vela;


Sinto vibrar em mim
as inúmeras paixões

De uma nau sofrendo;


O vento, a tempestade
e as suas convulsões

sobre o abismo imenso

Embalam-me.

Outras vezes é a calma,
esse espelho

Do meu desespero!


BAUDELAIRE (1821-1867) As Flores do Mal

1 comentário:

maria josé disse...

"Por um fio eu me parto em dois"
José Miguel Wisnick

É assim que te leio nestes dias de Abril, partida em duas: a mãe que sofre e chora, a mãe que revive o nascimento e a vida do seu filho.
Uma das origens de Abril para alguns é Aprilis, de 'aperire', porque esse é o mês em que os botões das flores começam a abrir.
O David nasceu, desabrochou e floresceu. Viveste com ele anos e momentos de grande plenitude. Por isso também a dor é maior. Mas vais conseguir que a celebração da vida dele vá ganhando cada vez mais espaço na tua vida. Por ele, por ti, por todos.Um beijo Zé