11 novembro 2008

Corredores nocturnos




Deserto estava o pátio à noite, no escuro frio de Novembro.

Sem os risos, sem o tilintar de copos, sem os sons do David oferecidos ao homenageado, sem os gestos de ternura imensa, sem as suas gargalhadas cristalinas verdes dum sonho ... talvez concretizável.
Onde se esconderam os raios de sol, no entardecer desse Julho distante?
Deserto continuou, pela manhã iluminada pelo sol tímido deste Outono.
Deserto ficará e silencioso e repleto de palavras mudas de saudade estrangulada.
Não há cores, nem sons, nem passos que o percorram.
Nem mais gestos de ternura.

Quedo-me na luz que se apagou.
Olhos fechados, afundada no escuro.
Onde estou que não me vejo?
Percorro corredores nocturnos e as imagens esfumam-se, no pátio deserto.
As lágrimas...




DESERTO


Seco

De areias escaldantes

Que enregelam pela noite

Filtra-se na mágoa

De um lugar granítico

Pátio de um desnorte

Que avança às arrecuas

Perdido de uma mão

De outra querida

Em brasa infernal

Que afinal

Sustém o porte

E como dantes

Interroga como ser

O que tu cantes

-.-

Canta Amiga minha

e não te espantes

-.-

Jaime Latino Ferreira
Estoril, 10 de Novembro de 2008

1 comentário:

jaime latino ferreira disse...

PARA QUEM CANTO

Se canto para o deserto

Se canto para as coisas

Mar aberto

Se canto para os seres a descoberto

Canto sobretudo para Ti

Óh Ser de espanto

Meu semelhante cheio de encanto

Meu Tu de Si

Vem ao que vi

Não fujas tanto já sofri

Que eu sei a dor em que Tu poisas

E que Te tapa como um manto

Vem ao que vi e que é para Ti

-.-

Jaime Latino Ferreira
Estoril, 13 de Novembro de 2008