27 setembro 2010

Mais um brilho no olhar do David

Mais um amanhecer.
Mais um acordar para hoje e para os ontens.
Todos os dias têm um significado diferente porque estão associados a uma data específica daqueles dezoito meses do passado.
Cada dia desse passado ficou marcado de uma forma especial - mais triste, mais esperançoso ...
E, ao acordar, a minha primeira ideia, ainda sonolenta, foca-se no dia e no mês.
Invarialvelmente.
Involuntariamente.
O ano não interessa.
O tempo cristalizou-se.

Estávamos de regresso de mais uma consulta, em Paris, no Hospital Paul Brousse.
Vínhamos "animados". Talvez não, talvez apenas convencidos de que poderíamos viver mais algum tempo de fingimento. E que essa autorização para fingir ... era a nossa realidade.
Sem tecto, sem chão, sem muros de amparo.
Uma realidade construída de tudo o que existe de irreal, transparente.
Éramos nós os nossos próprios alicerces ... com pés de barro tão fino.
Mas as cabeças; essas sempre nas estrelas ou cansadas, encostadas no ombro mais próximo.


Penso e aconselham-me a encerrar este blog.
Não venho regularmente. Eu sei!
Mas preciso dele. É para mim.
Verto lágrimas, saudades, angústias, pensamentos às vezes terríveis ... aqui.
São daquela que se perdeu e não consegue encontrar um caminho que não seja feito de dor.
Aqui esvazio o meu sofrimento imenso.
Para que a outra, quando se fecha a porta desta casa, consiga aguentar os dias, consiga deslumbrar-se com o sorriso, a alegria, as primeiras "conversas" do neto; procurar os sorrisos tímidos do filho, olhar para o Manel e não através dele e encarar os meus pais, a minha irmã com os olhos mais ou menos secos.
Será que alguém compreende estas duas que sou eu?

Desculpem-me.
Terei de ficar por mais um bocadinho; aqui perto do David.

SONS

9 comentários:

Pe de Salsa disse...

Tanto amor.
Tanta ternura.
E tantas saudades!

Um grande abraço,
Isa

Pe de Salsa disse...

Tanto amor.
Tanta ternura.
E tantas saudades!

Um grande abraço,
Isa

manuela baptista disse...

...quantos de nós somos apenas UM?

um beijo, Isabel

manuela

BRANCAMAR disse...

Não é difícil compreender essas duas que é...mesmo nada difícil Isabel, talvez para a sociedade actual seja porque vive muito da imagem e da aparência, porque não convive com a dor e a morte como os nossos avós, sem que isso signifique vitimização. Como dizia o Professor Júlio Machado Vaz há dias ao recordar os pais:

"é uma sociedade que abomina a angústia e a degola à força de pastilhas”

Adorei esta expressão, porque é tão natural e simples como respirar termos as nossas saudades, as nossas dores e alegrias também. A Isabel vive com as suas, imagino-a uma outra Isabel junto do seu neto, do seu filho Sérgio, da sua nora, da sua irmã,sobrinha, pais, Manel, mas quando desce aqui na solidão da noite nada mais natural que fique só com o David, é o seu tempo de excelência para ele e esse tempo é feito de saudade e é ainda tão pouco tempo para que as feridas se tenham curado.

Um beijo Isabel, de muito carinho.
Branca

Anónimo disse...

Olhe, minha querida, tal como diz a Branca, vivemos numa sociedade lixada.
Só a beleza ou a procura dela contam.
Só o dinheiro ou a busca dele valem.
Só o sucesso interessa.
Ou as aparências de que somos todos bons e estamos bem ... claro!

Mas na vida, existe, por vezes, DOR.
Que não se trata em Clínicas de dor; que não se trata com o tal "ser positivo", "tens de andar para a frente" ...
Aqui, existe saudade e uma enorme paixão que não adormece quando desaparece o objecto dessa paixão.
É um filho!
Compreendo-a bem, Isabel.
Não se sinta envergonhada por ter de repetir as mesmas declarações de dor e saudade.
Pois se os seus dias e a sua alma as gritam ...

A Isabel tem é a coragem de o revelar, contra todas as normas desta sociedade hedonista.

Admiro-a e apoio-a.
E aguardo o livro de que me apercebi, algures, nas páginas deste blog.

Helena Vaz

Anónimo disse...

Isabel

Não tenho a mais pequena dúvida de que adora o seu Miguel, o seu filho Sérgio, o seu Manel.

Não sinta o peso de imaginar que eles merecem mais.
Que esse medo não a faça sofrer ainda mais.

É bem patente o amor e dedicação por eles.

O David é um penar só seu.
Pois se é mãe desse filho que já não tem!!

Não se vá daqui, desta sua casa tão transparente e luminosa. Eu gosto de vir aqui.

Um abraço

Paulo Silva

Ana Cristina disse...

Todos nós sabemos que serás sempre muito mais que "duas" e que uma ficará para sempre com o David, seja aqui seja onde te apetecer encontrá-lo. Quantas vezes também nós nos dividimos e procuramos o sorriso do David para depois dexar correr as lágrimas.
Só queremos que encontres o teu ponto de equilíbrio. Nunca poderemos pedir mais...
Bjis. Nini

Anónimo disse...

Isabel, faça o que o seu coração mandar e não o que a aconselham.Se gosta de aqui vir, venha. Nós andamos sempre por perto e uma lágrima sua terá sempre um ombro aqui.
Beijinho, MM

Ana Cristina disse...

"Tens de largar a mão!?"

http://www.youtube.com/watch?v=5mGMOoPu_no&feature=player_embedded

Bjis da Nini.