18 abril 2011

Le poète ...




Mais um dia, mais um dia 18, a cada mês que passa.
E a tua imagem quase corpo ainda quente
Permanece.
Num lance de escadas
Desces determinado
Em busca de sonhos.
E eu fico, aqui,
Como sempre fiquei
Ficarei
À espera de um regresso adiado
Que eu sei impossível
Mas irremediavelmente desejado.
Na bruma que envolve os meus sentidos.
Abandono-me à solidão
Amiga de horas lassas de saudades.
Não é preciso fingir.
Espero o regresso do teu corpo ainda quente.
De umas mãos que acariciem as minhas.
Naquele teu jeito protector.
"Mamã, vamos dançar?"





2 comentários:

EME disse...

Apenas um abraço isabel!

BRANCAMAR disse...

Belíssimo texto de amor e saudade Isabel, sempre a sua saudade de mãe e esse é também um sentimento maior que ninguém pode avaliar.

Obrigada pela partilha deste momento musical que é também da minha juventude e que é belíssimo.

Deixo um abraço enorme.
Branca