31 dezembro 2010

Seguir!



Cruzo os braços. 
Dobro o horizonte, quero regressar ao ano antigo e ao outro e ao outro. E ainda outro. Onde tenha dois filhos. Não quero ser empurrada para um novo ano. Que não seja 11. Ou 12. Não quero que cresça a lonjura que eu continuo a percorrer. 
Tenho a alma coberta de dor! Mas que alma? Quem a vê?
E que dor? A que ninguém vê porque não se vê.
A minha dor dói, corta-me, range dentro de mim, muito profundo ou  ... atrás da cabeça. Não sei. Às vezes, sinto como se uma lâmina tivesse cortado, na vertical, a minha cabeça em duas.
É na parte de trás, resguardado dos olhares e dos ouvidos, que penso outros pensamentos, que vivo mil vezes uma outra vida já vivida. É lá que sinto a saudade e ganas de dar gritos de fúria. É lá que repito até à exaustão que não, que não compreendo, que não aceito, que não sei como aconteceu tão subitamente ter gerado um filho e ele não existir. A cama nunca desfeita ... no entanto, um cheiro distante ainda no roupão. É lá que sinto que se cerraram as portas duma parte de mim. É lá que uma parte de mim já desistiu, cansada e desenganada, de projectos, de quereres. Lá, já não formulo desejos, nada de fantasias tolas. Quero encostar a cabeça, trancar os olhos, ficar-me no pensar ou sentir ou choro ou desconsolo ... o que vier.

Descruzo os braços.
A parte da frente da cabeça aberta para o mundo ... essa continua a viver, como se viver, mesmo assim, fosse normal. 
E, deste lado, é.
Tem de ser, mamã! - diria, certamente, o David

4 comentários:

BRANCAMAR disse...

Apenas um beijo, um carinho.
Hoje apenas temos a passagem de um dia para outro, nada mais que essa pequena distância.

Abraço-a, com um abraço de mãe.
Branca

Jaime Latino Ferreira disse...

ISABEL VENÂNCIO


Querida Amiga,

Se tem de ser como o diria o David ...!

Se tem de ser só Lhe posso desejar, a Si e aos Seus, um Ano Novo melhor!!!

Um beijinho


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 31 de Dezembro de 2010

manuela baptista disse...

às vezes

pouso a cabeça em cima da cama e deixo-a lá ficar

com a outra

converso ao telefone, recordo o nome das ruas, a receita do bolo e o lugar onde larguei as chaves

depois espanto-me com a terceira, que está lá fora entre os bolbos e os lírios e as frésias ainda não nasceram mas já é janeiro

quem diria
que o mundo tem sempre este girar
e tudo me fala da ausência de mim

ou de ti

e eu não sei parar

.

querida Isabel!

um beijo

manuela

Pé de Salsa disse...

Isabel,

Um grande beijinho para si e um abraço muito apertado.

Isa