02 março 2010

"Crónicas da sala de espera "...




Que estranho!
Raramente, vejo televisão, durante a tarde.
Quando muito, ligo a Sic Notícias, a Mezzo ou vejo o Baby First, enquanto o meu neto come a papa ...
Mas ...
Há pouco, passei pela cozinha, onde a D. Fátima via a SIC, enquanto me cosia uma bainha.
Nas notas de rodapé "Pedro sobreviveu a um cancro colo-rectal."

"Como se faz para superar o medo, perante um cancro terrível?" Era a pergunta.
Uma das coisas é não sofrer em silêncio. O melhor a fazer é contar ... não esconder... A outra é que a quimioterapia da amizade e do amor são tão ou mais importante que a dos químicos. É um direito querermos ver os filhos crescerem; estudarem, serem felizes...
É preciso lutar por esse direito.
....

Foi operado num 27 de Abril, aniversário do David!

Esta é uma história com final feliz, ... embora as vivências e a forma de encarar cada dia sejam semelhantes...
Ao Pedro, "herói" desta história, também lhe vi um ar sereno, no olhar!
São "Crónicas da sala de espera".

Mas voltando atrás ...
Porque será que só as histórias com final feliz são reveladas?
Se as outras, tristes, como a do David também ensinaram, a quem conviveu com elas, a ter coragem e a viver com dignidade e até de forma, às vezes, quase ... quase feliz.
Ninguém é feliz o tempo todo!!
Quem não o sabe?
Mas temos direito a instantes de felicidade.
Até no percurso da mais terrível doença ou da maior tristeza.
Acontece que ... "os heróis" destas histórias ... não têm voz; foram deixando o seu testemunho silencioso.
A quem os amou, a quem tocaram com doce gentileza, a quem quis rir com eles, a quem quis ouvi-los e olhá-los nos olhos, apesar de a doença assustar e obrigar muitos a desviarem o olhar.
Mas vem o esquecimento ...
A não ser que haja uma mãe (outras mães) que não se resigne a que a força e a luta do seu filho vá ficando esquecida na teia do tempo.

É o que faço aqui, nesta casa, às vezes, aparentemente abandonada.
É o que farei, com ou sem público, quando o livro ... do David estiver terminado.

Foi estranho!


Sempre difícil, encontrarmo-nos, difícil, sempre, separarmo-nos.
E murcha cada flor no vento que declina.
Terminado que é o fio, morre na Primavera o bicho-da-seda.

A vela seca as làgrimas - quando já é só conza.

De madrugada, o espelho faz-me triste, mudados nele os meus cabelos.

A voz que canta na noite, acorda o frio sentido do luar.

Daqui não é longe ... daqui à Ilha dos Imortais,

Pássaro Azul, depressa, gostava de lhe dar uma espreitadela.


Li Shangyin (813-858)

9 comentários:

Ana Cristina disse...

Mana

As pessoas gostam de ouvir histórias com finais felizes.

Não é fácil "ouvir" a dor, o sofrimento, a doença, a "não cura" e a morte.

Sabes,tenho a certeza de que estás errada quando falas desta casa "abandonada".
Aqui,nunca se sente abandono.

Aqui sente-se sempre a tua presença com o David a espreitar por cima do teu ombro.

Mesmo que não escrevas nada durante o tempo que tiver de ser,aqui sinto sempre o aconchego dos abraços meigos do David e o teu sorriso sereno...

Nunca estará "abandonada" porque o teu (nosso) amor pelo David é incondicional e levará "até aos confins do universo" a notícia da vida que o David viveu.

Eu faço isso sempre que falo do meu sobrinho.
E falo muitas vezes.
Não me importa a ausência nas "crónicas da sala de espera...", mas importa-me que o livro que escreveste sobre o David não tarde a ser publicado.

1 beijinho.
Nini

Jaime Latino Ferreira disse...

PÁSSARO AZUL


Que estranho
pássaro azul
que não seca
nem morre
que aqui vai voando
e que corre

Que estranho
é o céu azul
onde o pássaro voa
ecoa
e enquanto soa
não há nada que lhe doa

Que estranho
vir a imortalidade
de antanho
e que por se crer
como ao pássaro
voa mais e sem sofrer

É estranho


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 3 de Março de 2010

Zé disse...

Buebird e as tuas palavras lembraram-me versos de um breve poema de Mário Quintana que deixo aqui "eu passarinho/ eles passarão". Na tua memória e saudades,nas de todos os que o amaram, conheceram ou que ouviram/ouvem falar dele,nas tuas palavras, aqui e no livro, o David será sempre 'leve como um pássaro' e 'não como uma pena', porque não vai cair nunca. Bj

manuela baptista disse...

Isabel

nem todas as pessoas, apenas gostam

de finais felizes! Os finais um pouco imperfeitos, com uma nota esborrachada, como se diz do desempenho de um pianista, não transformam o concerto num fiasco.

Nós é que nos queremos convencer de que os pássaros azuis não têm penas brancas.

O testumunho do David é o nosso testemunho e uma lição para cada um de nós e graças a ele umas vidas salvar-se-ão, outras não.

Mas!! isso não impede que nos tornemos perfeitos se conseguirmos e tivermos força, desejando um caminho feliz, porque o final é tanta coisa...

desta sua amiga, que lhe deseja um caminho azul

e que lhe confessa que, quando era pequenina, as histórias que contava nunca, mas nunca tinham um final feliz!
Se fosse hoje já tinha corrido 50 pedopsiquiatras, mas não foi!

um beijo

Manuela

António disse...

Uma sobrinha minha, em criança, dizia frequentemente que tinha um amiguinho especial. Que identificava pelo nome e que com ele brincava com regularidade.Dizia-o com um expressivo sorriso na face, de forma clara e ,para ela, indiscutível. A minha irmã sorria,mas de forma descrente,não acreditando que esse " amiguinho imaginário" fosse real. Mas eu acredito na minha sobrinha, apesar de nunca ter visto com os olhos da vista o amiguinho real que ela via com os olhos do coração...

Brancamar disse...

Olá Isabel,

Como diz a Manuela nem todas as pessoas apenas gostam de finais felizes.
Podemos apenas gostar da vida e a vida tem várias cores.
Eu quero saber quando fôr o lançamento do livro do David, a história de alguém que lutou pela vida com a maior das forças e com amor.
Beijinhos
Branca

Ana Cristina disse...

17 de Março

O Xico - avô materno do David- fez hoje 82 anos.

Quando falou pelo telefone com a Diana (a neta que está em Paris)emocionou-se muito e disse"...foi muito bom ouvir a tua voz,Dianita...sabes,tenho saudades de ouvir a voz do David..".

David,beijinhos do avô Xico para ti.


Nini

Jaime Latino Ferreira disse...

ISABEL E ANA CRISTINA


Queridas Amigas,

Aproveito e ainda que atrasado para enviar as felicitações ao avô Xico no implícito desejo de que muitos mais e com saúde, ainda que com saudade, venha a contar!

Um beijinho para a família toda


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 20 de Março de 2010

manuela baptista disse...

já passaram três dias...

mas para um avô Xico saudoso de vozes

daqui lhe envio a minha, desejando saúde e felicidades nos seus 82 anos!

e a todos os Venâncio com muita amizade

um beijo

Manuela