21 outubro 2008

Melancolia



Será do tempo?
Mas se eu, agora, mal reparo no tempo!!!
Não sei que fazer com ele.
Sobra-me tempo.
Um ano?
Tão pouco, antes, e tantos dias, agora.
Tão longe? Eu sinto que foi ontem que partiste... A tua mão, ainda, na minha. A tua pele, ainda, morna.
Tão longe mas aqui, junto desta melancolia.
Contradições que não me interessa desfazer. É assim, apenas.
O círculo fechou-se; eu não reparei.
Não estou de fora; encontro-me aqui no centro desse círculo cerrado de amargura e exaustão e tenho as mãos vazias e o olhar entorpecido, por um enorme cansaço.
Ainda a sensação de vencida...
O meu círculo é uma linha recta de saudade e não vislumbro o seu fim.
Nem o procuro.
É o que tenho a pagar por tudo o que recebi.
Aceito a dor tal como aceito a alegria que os meus têm, ainda, para me dar.




SAUDADE

Se tem peso e densidade

Não é porque tenha idade

É a saudade vontade

De caber na eternidade

-.-

Jaime Latino Ferreira
Estoril, 20 de Outubro de 2008

1 comentário:

Brancamar disse...

Querida Isabel,

Gostei tanto deste texto! Também muito do seu novo perfil. E vi com tanta ternura o seu neto incluido nos seus interesses, em primeiro lugar, claro.
Parabéns pelo novo espaço, desculpe de me ter lá intrometido, será mais lógico e como diz que passem por lá os seus alunos e a comunidade escolar, mas não podia deixar de lhe dar os parabéns.
E por aqui continuo a aprender consigo português muito bem escrito e sentimentos só seus, à volta da saudade.
Novamente os versos do Jaime muito adequados à circunstância.
Beijinhos.
Branca