07 outubro 2008

Donos do tempo


Vivo numa espécie de tempo que desconheço
Próxima dum abismo que reconheço
Imersa num torvelinho de sonhos... de pesadelos ... de mágoas
Não se regressa mais ...
Inteira!
Nunca temos todo o tempo do mundo.
O mundo (a)garra todo o nosso tempo...





Como se tivesse todo o tempo, não
se lembra do tempo que foi, nem pensa no que

há-de vir. O tempo é a mesa vazia onde

nada cabe, como se estivesse cheia; e

entre passado e futuro as sombras

alargam-se pelo chão, desenhando

a escadaria por onde desceu, até

hoje, numa incerteza de passos

infalíveis.
Nuno Júdice

5 comentários:

paula simoes disse...

olá Isabel

passei para lhe deixar um beijinho

beijinhos do tamanho do Mundo

jaime latino ferreira disse...

A TRISTEZA

A tristeza canta-nos a melancolia
De um outro eu

A tristeza pinta-nos de traços
De aroma ímpar

A tristeza preenche-nos a aurea
De suavidade

A tristeza vinca os traços de uma história
De humanidade

A tristeza é alegria cheia de beleza

Jaime Latino Ferreira
Estoril, 8 de Outubro de 2008

Carecaloira disse...

Um beijinho muito grande
Marina

Anónimo disse...

Há um ano, em Cascais, esperava notícias que nunca mais chegaram.

O Alex partilhou o meu desalento, desânimo, desespero e revolta; lá, à noitinha, onde ninguém me via, podia chorar ... o Manel Simas atendia os meus telefonemas e ouvia as minhas perguntas para as quais não havia,afinal, nenhuma resposta.

Só o silêncio e a recordação de dias felizes, de uma família por inteiro.


Hoje,nestes dias de Outubro entre Gaia e o Porto, depois do regresso e ainda entre casas,tornei-me refém do silêncio,da saudade e da tristeza que teima em agarrar-se à pele.
Não tenho ainda o Alex para se deitar aos meus pés, nem o convite pela tardinha para ir ....a Serralves!?

Devo ter vivido no limbo lá longe em Cascais, como se de um tempo paralelo se tratasse, que me adormecia e anestesiava.

Agora acordei ... e tu David por onde andas?

Nova casa. Novembro.
Com a Diana e o Alex de novo fiel companheiro a advinhar-me o gesto.

Quem sabe Serralves, a Casa da Música, a Livraria Lello ou tão só o passeio pelas dunas junto ao mar, junto de ti.

Quem sabe a tua luz me deixe de novo adormecer e acordar serena com vista para o casario da ribeira.

Será que me atrasei no regressar?
"..incertezas.."!

1 beijo da Nini.

(hoje fiz as primeiras compras para a nova casa ... no IKEA ...pela noitinha)!

manuela baptista disse...

Aqui

Tenho perguntas fechadas
Este nó dentro do peito
Atrasei-me no regresso
Ou cheguei cedo demais

A este tempo
A este silêncio
A esta tristeza
A este lamento

Entre casas
Entre portas

Onde estás meu rapaz?

Tenho respostas cruzadas
Nas incertezas do vento
Tenho esta luz serena
Que me invade o pensamento

Onde estás meu rapaz?

Vem agora tu com uma lata
De espinafres
E torna-me forte
E torna-me grande

E mistura-me na areia das dunas
Contigo e com o Mar
Para que me possa perdoar
Para que possa enfim cantar

Estás aqui meu rapaz!

Para a Nini e que me perdoe o roubo das suas palavras!

Manuela Baptista
Estoril, 9 de Outubro 2008