17 setembro 2008

Outras despedidas...



Mensagem deixada pela avó, a 10 Outubro 2007

David
Foste o melhor e o maior neto do mundo. Nunca vou esquecer-te, meu querido e adorado David. Em todos os dias da minha vida, vou amar-te sempre mais e mais. Deixas-me uma imensa saudade e sinto-te em mim. Foste uma lição de vida. Foste generoso e bom. Sofreste com as injustiças do mundo. A todos te deste com amor e carinho.
Merecias mais, muito mais do que o nosso grande amor.
Obrigada, meu neto querido, pelo teu meigo e terno sorriso.
Obrigada pela doçura do teu olhar, do olhar desses teus "olhos claros, lindos e cheios de graça".
Obrigada, pela ternura que deixaste no meu coração.
Amo-te, amo-te e amar-te-ei eternamente.

"E eu que já penso na suavidade
Do tempo que não vai voltar
Que não vai passar
Olho o espaço (o mar) chorando de saudade
Dos teus olhos claros cheios de graça!..."

Um saudoso beijo e um carinho
da tua avó Arminda

5 comentários:

Arminda Branca Pinto disse...

Isabel,

Que doce comoção me deixou este texto! E tantas lembranças! O David e a avó fez-me lembrar eu e a minha avó, da qual tenho falado aqui muitas vezes pela perda de um filho com 21 anos. Curiosa coincidência! Curiosa também a coincidência de ter o meu nome que na blogosfera só uso completo quando assino os meus próprios textos, mas hoje vou usá-lo em homenagem ao David e à avó que presumo ser a senhora sua mãe.
Um sentido e forte abraço.

Arminda Branca Mendes Vieira Pinto

Albertina disse...

Se já é anti-natura despedirmo-nos de um filho, imagino a dor de quem vê partir um neto...
A minha homenagem e respeito à Sra.D.Arminda.

E para si Isabel, o que desejo sempre: Ame mas não sufoque de tanto amar!

Albertina

Arminda Branca disse...

Estou consigo Isabel, especialmente hoje.
Sem mais palavras, apenas um beijinho grande, um ombro amigo e muita ternura.
Branca

Anónimo disse...

Isabel. Há um countdown no seu sofrimento, é impressionante, como se conseguisse alterar o tempo...um ano depois. Sem a conhecer....aproximo-me de si e sinto a sua dor.
Só o tempo a irá deixar "dormente", não passará, mas ficará "dormente". Como uma cicatriz.
Um beijinho GRANDE.
MM

Arminda Branca Pinto disse...

Isabel,
hoje pensei todo o dia em si e passei pelos seus post e falei de si com uma amiga e abri este blog pra lhe mostar o David.
Aquele comentário atràs das 23h 57m, pretendia ser já no dia 18, porque no meu computador já passava das 24h, mas não importa muito o pormenor, importa que hoje estive consigo, imaginei como teria passado este dia e espero que tenha sentido um pouco o meu abraço, embora saiba que terá tido outros ombros mais queridos de família e amigos e é principalmente desses que precisa e lhe fazem bem.
Sei que está rodeada de afectos e que tem um dado novo que é o seu neto, mas também sei e acho, que apesar de tudo, hoje sentirá que cumpriu um ciclo, um ciclo de dor, que espero se transforme numa doce saudade...
Um afectuoso e forte abraço.

Arminda Branca