10 setembro 2008

Há sempre uma qualquer razão




Ao António, gostaria de dizer que a mãe do David agradece os comentários que aqui faz, independentemente das razões.
Razões de mãe, as minhas, como deve calcular.
Razões humanas de solidariedade, as suas.
Razões que me afagam a dor.
Respeitar a minha dor é o que o António faz, quando me escreve, concordando ou não com a minha visão do mundo.
Talvez a sua força consiga que o mundo seja como acredita que será. Seria bom...
Não aprecio quando todos concordam comigo, em tudo.
A razão pode ser a indiferença e eu não aprecio.
Companhia é o que todos aqui me fazem, quando me lêem e comigo pensam no David.
Serão necessárias mais razões, se só essa me basta e me reconforta?
O caminho a percorrer é longo, sinuoso e agreste.
Há tempo para o silêncio.

3 comentários:

Anónimo disse...

Um dia todo o nosso sistema solar vai desaparecer e do Planeta Azul não restará o mais pequeno grão de poeira cósmico.Eventualmente todo o Universo regredirá novamente ao minúsculo pontinho de matéria donde emergiu o Big Bang.Tudo o que é materialmente visível irá desaparecer.Mas,se algo vai permanecer indissolúvel,serão os laços inquebrantáveis dos Afectos.O Amor de Mãe,de todas as Mães,pelo seu filho,por todos os filhos,esse será Sentimento Eterno,que nenhuma involução cósmica conseguirá destruir...António

paula simoes disse...

olá Isabel

agora em diante vai haver sempre uma razão para uma lágrima ou para um sorriso há as recordações que nunca se esquecem
se quiser passe no meu cantinho também é dedicado a si

deixo-lhe um beijinho de bom fim de semana

beijinhos do tamanho do Mundo

Albertina disse...

Olá Isabel

Sei que percebeu (sentiu) o que lhe disse sobre a minha filha há uns posts atrás...
Partilho com o António algumas ideias e gostaria de acreditar tão veementemente que ninguém parte de vez... No entanto, como mãe, acredito mesmo que os filhos não partem pois "são" connosco...
O David está cá e vou lembrá-lo (embora não tenha a certeza de o ter conhecido) num concerto da Maria João no dia 19. Estarei na régie a pensar nele com toda a força que conseguir. E desejarei que ele esteja em paz, ouvindo as músicas que gosta.
Sei que a Isabel (nem que tenha sido por um breve momento, pensou na minha filha), por isso lhe peço: visite-a anagridoce.blogspot.com
e diga-lhe, como sabe fazer tão bem, que viver é bom!
De mãe para mãe: temos que lutar, Isabel!
Beijinhos e bom fim de semana

Albertina